segunda-feira, 12 de maio de 2014

O nosso projecto

É um cliché, mas como é uma casa pequena, terá de ser aconchegante como um ninho! (Mas podem desde já ficar descansados, a famosa placa "o nosso ninho" não vai ser afixada em nenhuma das nossas paredes ;))

As imagens disponíveis são de fraca qualidade (fotos do projecto anexo ao contrato), mas já dão uma ideia geral de como será a nossa casa.

A implantação da casa:

Dá para perceber que ficamos ainda com imenso terreno livre. O terreno é de gaveto, o que nos permite ter apenas um vizinho directo e a incidência de luz e percepção de espaço é melhor.

A planta da casa:


A planta é do mais simples que existe: uma cozinha e sala comum, uma casa de banho, um pequeno escritório, uma suite e um segundo quarto. Há também um alpendre que, a seu tempo, será convertido em garagem. Na sala não poderia faltar a nossa amada lareira...

As linhas da casa são modernas, muito simples. Será branca nas laterais e cinzenta escura na frente e traseiras. Como é relativamente pequena (a área de implantação, com o alpendre incluído, é menos de 140m2) deixa-nos ainda bastante espaço livre no terreno (que tem aproximadamente 700m2 no total) para futuros anexos caso o desejemos.

Alçado norte (vê-se a janela da cozinha)


Alçado sul (com o recorte do alpendre, mostra a entrada e a janela do escritório)


Alçado nascente (janelas dos quartos e da casa de banho privada)


Alçado poente (a "frente" da casa, com as janelas da sala, e do lado esquerdo, a janela da casa de banho)


 As imagens 3D estão ainda com menor qualidade, e não representam as alterações que solicitámos (tamanho do alpendre e a janela da cozinha), mas dão uma ideia de como ficará!




E é neste projecto que vamos investir o nosso tempo, dinheiro, ansiedade, e tantas outras emoções que nos vão acompanhar por mais de um ano.

Sim, porque desta vez a coisa faz-se, não vamos ficar num limbo sem saber o que aí vem!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Relatos de uma nova construção

Comprámos um terreno que nos encheu as medidas pela sua localização - no sopé da serra, numa aldeia onde ainda se podem ver pastores com os seus rebanhos, e ao mesmo tempo perto da "cidade grande" (que fazemos por não visitar amiúde, gostamos muito mais do sossego!).

Tivemos um longo histórico com um arquitecto - de que gostámos bastante inicialmente. O projecto que nos apresentou era do nosso agrado, mas falhou algo muito, mas muito importante: apesar das restrições orçamentais que apresentámos, elas não foram cumpridas (apesar da constante afirmação da parte dele em contrário, sempre contradita pelos orçamentos que íamos recebendo).

Sendo assim, e depois de muitos orçamentos e vários anos de espera, optámos por descartar todo aquele trabalho (e diga-se, ainda bastante tempo e dinheiro) e recomeçar.

"Queimados" com a experiência fomos à procura de serviços que nos garantissem preços dentro das nossas possibilidades, mas com qualidade. Fizemos um "downsizing" das nossas pretensões e foi-nos apresentado um projecto que podemos pagar.

Após pesquisarmos diversas possibilidades (métodos de construção alternativos como a construção modular, LSF, etc) resolvemos investigar melhor o conceito "Casa Pronta Era", que assenta na construção tradicional. (Os preços apresentados eram muito semelhantes, e este último conceito tinha mais inclusões, sendo por isso o escolhido.)

Marcámos uma reunião, fizemos o nosso pedido, e em menos de duas semanas tínhamos na mão um esboço de um projecto.
Basicamente, na primeira reunião é-nos apresentado em detalhe o conceito, são-nos mostrados catálogos com diversos tipos de arquitectura e após escolhermos a tipologia da casa e outros detalhes o gabinete de arquitectura responsável trabalha as nossas ideias e apresenta-nos uma sugestão.
Dada a nossa restrição orçamental não podíamos exigir muito, mas a solução apresentada agradou-nos bastante. Com ligeiras alterações demos um passo de gigante e assinámos o contrato.

O conceito base é o seguinte: com este tipo de serviço estão incluídos todos os custos com taxas e licenciamentos camarários, bem como o projecto de arquitectura e especialidades, acompanhamento de obra, etc. Existem exclusões à partida, tal como muros, portões e móveis de cozinha, que podem ser incluídos no contrato caso o desejemos e ficamos assim com um verdadeiro projecto chave na mão.

O prazo de construção é de um ano a partir da libertação das licenças camarárias - uma vez que ainda não se iniciou a elaboração do projecto de arquitectura (programado para iniciar no final de Maio), as notícias vão sendo escassas durante os próximos meses.

Neste blogue vamos fazer o acompanhamento deste novo projecto, que ainda se encontra numa fase bastante embrionária.

Mas a verdade é que estamos animados com o processo que se avizinha! Confesso que estamos também algo ansiosos, afinal é um passo muito importante e que nos vai acompanhar durante muito tempo.

Adenda: Pelo que li em artigos recentes, actualmente o conceito já não inclui os custos de licenciamento - o nosso contrato sim, já que foi assinado em Março/2014